relevant to orgasm, absence of African mango diet pills african mango
abr 03

Evento lotou o Auditório Jurandir Oliveira, no Departamento de Educação. Fotos: Juliana Cardoso/Ascom

xx

Há 50 anos, na madrugada do dia 1º de abril de 1964, um golpe militar foi deflagrado contra o governo legalmente constituído de João Goulart. Pautada por repressões, torturas e mortes, a ditadura militar mudou a história do Brasil, suspendeu as liberdades democráticas e iniciou duas décadas de perseguições, torturas e controle da vida política nacional.

Para relembrar e refletir sobre o período ditatorial no Brasil, suas causas e conseqüências, o Departamento de Educação (DEDC) do Campus I da UNEB, em Salvador, promoveu nos dias 31 de março e 1° de abril o Colóquio Resistência Popular 50 anos do Golpe Militar: Ditadura, Lembrar para Jamais Repetir.

“Nosso objetivo é resgatar os heróis e heroínas que lavaram com sangue o chão da nossa terra para construirmos esse momento de democracia que vivemos hoje”, frisou Ricardo Moreno, coordenador do evento e Secretário de Articulação Istitucional (SEAI) da UNEB.

Segundo a Vice-Presidente do Grupo Tortura Nunca Mais (GTNM-BA), Diva Santana, vivemos as sequelas de uma repressão feroz implantada no Brasil. “É importante que as novas gerações conheçam esse triste período da história e a luta de grandes homens e mulheres para reestabelecer a democracia no Brasil”

Participaram ainda da programação, narrando experiências vivenciadas durante a ditadura, o sociólogo, Joviniano Neto, o médico Carlos Valadares,  a Deputada Federal, Alice Portugal, e os professores da UNEB Manoel Neto, Valdélio Santos e Antônio Dias.

Exibição de documentários e debates – A programação do evento contou com exibições de documentários sobre o período ditatorial a exemplo de “Araguaia – Campo Sagrado”, de Paulo Fonteles Filho e Evandro Medeiros e “ O Dia que Virou 21 anos”, de Camilo Galli Tavares, além de rodas de conversas e depoimentos.

O encerramento das atividades foi marcado pela participação dos músicos Lis Cunha e Wellington Grojão entoando canções de resistência e de luta da época militar, além de apresentações culturais com poesia, exposição de fotografias e de documentos.